Arquivos para o mês de: março, 2017

A menina e o menino

Um menino de calção estampado desceu da caminhonete. Bronzeado, foi logo avistado pela menina de pele clara, e olhos arregalados! Tão pequenos um e outro, mas a magia do amor, naturalmente puro em coração de criança, por ali passou…

A menina ficava esperando o menino aparecer e sempre que aparecia ela era envolvida por uma vergonha que a impedia de interagir com ele. O menino, nem notava, e se quer fora tocado pela mesma magia que ela…

O menino partiu, pois não era dali, e algum tempo depois retornou. Ele já não era mais tão menino como antes, era um adolescente, porém ela ainda menina, se alegrou ao ver aquele rosto novamente.

Já havia, nessa época, outras meninas que encantavam o menino, e a pequena menina aos poucos percebeu que não era correspondida…

O encanto desse primeiro amor durou apenas mais esse verão, nos verões que se sucederam não havia mais esse sentimento, apenas lembranças de uma época de inocência e de encantamento!

Adriana Nunes

Imagem: Pinterest

 

Anúncios

Sonhos, escritos, lembranças, músicas e poesia. Já vimos algumas coisas por aqui. E, por que não, histórias??? Daquelas que ninguém conta, ou daquelas que todo mundo já sabe! Das que são apenas imaginadas, inventadas, sonhadas… Das vividas, das ouvidas, das lendárias…! Das histórias de contos de fadas e das histórias da vida real!
Histórias que, de repente, possam chegar por aqui… Vai depender da inspiração…!

Adriana Nunes

Imagem: Pinterest

 

Numa conversa sobre tanajuras, sobre que gosto ela terá, entre manteigas e opiniões, seu sabor eu logo tratei de contar:

Tem gosto da gente criança, se juntando numa farra danada com um monte de outras crianças; mais a sua mãe, os seus vizinhos, a sua rua todinha… Com sacos amarrados nas pernas, e bacias cheias de água, em torno de alguma barreira, à procura das tanajuras!

Tem gosto de voltar pra casa, com sorriso no rosto.

Cheirinho de café no fogo, e um outro cheirinho bem singular, da tanajura frita na manteiga e envolvida com farinha!

Tem gosto de crocância, de um final de tarde diferente! E, para quem gosta de tanajura, certamente ao pensar sobre seu gosto, logo se lembrará dessas coisas que a gente conhece na infância…!

Adriana Nunes

tanajura-rebeca

tanajura-este

Imagens: https://mangiachetefabene.wordpress.com; + arquivo pessoal da minha amiga Rebeca

Daquela saudade danada que dá do passado… Das pessoas, dos encontros, das músicas, dos momentos, dos tempos…

Saudade daquilo que não volta mais… Daqueles que, ainda se voltarem, não serão os mesmos…

Saudade da inocência, saudade da ousadia, saudade de viver mais um pouco, em um tempo que durou tão pouco…

Talvez, refletindo sobre saudade, possamos dizer que ela seja o que ficou de um tempo que passou… Uma lembrança, um sentimento, uma vontade, uma espera de algo que não volta mais igual como era antes…

Adriana Nunes

 

saudade