A inda em plena decolagem um comentário
D isse-me ela, “é nessa hora que tenho medo”
R apidamente a acalmei, ao virar intermediário
I nvocando descontração, num papo “rochedo”
A calmada, tranquila, relaxada e falante,
N a casa das estrelas, seguimos o enredo
A li, naquela noite escura de lua minguante.

N aquele retorno por demais esperado
U m encontro nos céus, um até logo desejado,
N as diversas fases da lua, entretanto
E xplorar novos caminhos, fora mostrado!!!!
S obrando assim das estrelas, o ENCANTO!!!!!

By: Eduardo Valdoski Jr.

 

homem estrela

Anúncios
Noite escura de lua minguante, onde o brilho das estrelas ganharam destaque…!
O dia tinha sido duro e aquele momento de retorno por demais esperado. E foi justamente por esperar demais que também se temeu demais não poder voltar…
E foi alí no céu, na casa das estrelas, rezando para que os ventos fossem bondosos, que ela olhou para ele pela primeira vez…!
Um encontro nos céus…
Se a viagem não fosse tão curta, talvez desse para descobrir inclusive onde  nasce o sol… Sim, certamente esse assunto surgiria pois conversas e assuntos nessa noite não faltariam…
Mas ,como tudo na vida, a viagem também acabou, o retorno foi certo, e o até logo foi desejado… Os passos que a partir daí aconteceram mostravam novos caminhos a se explorar…
Adriana Nunes
P.s.: se eu fosse desejar algo para eles, desejaria que o encanto das estrelas nunca acabasse… Acompanhando inclusive as diversas fases da lua…!
d98c1c48bf735c0fa8ca2e61f29a7cd4

ÀS vezes, a gente tem que revisar o que gosta, sabia? Tentar relembrar mentalmente e dentro de si… Para quê? Para não se perder de si … Para saber o que é seu e o que é do outro…

Existem muitas coisas das quais gostamos, mas algumas são como que só nossas… Ainda que não sejam… Tem coisas que mesmo sem ser vista ou falada, vai estar sempre lá, é seu… Você é quem gosta. E vez ou outra, é bom se reaproximar disso, relembrar, provar….
Não nos afastemos de nós mesmos… Vez ou outra, feche os olhos e tente enxergar o que está guardado lá dentro de você…
Adriana Nunes
esta blog
Imagem: Pinterest

Dizem que o silêncio fala… Mas o silêncio também cala… Cala a voz de quem balbucia, cala a canção que já não traz alegria…

Ventos, em silêncios, tocam na pele e fazem-se ouvir!

O ruído do vento chega como canção… É voz que às vezes encanta e às vezes espanta, mas que chega sem perguntar onde poderá entrar. Quem não quiser recebê-lo ou mesmo escutá-lo que trate logo de fechar os espaços, as lacunas, os buracos, pois o vento é como o amor, não pergunta se pode entrar, ele apenas entra onde encontra espaço, passa correndo e vai embora…

Ninguém pode segurá-lo, mas todos querem por ele ser tocados!

Ele consegue ser leve e poderoso!

Ele consegue ser paz e ser tumulto!

Ventos leves, ventos intensos!

Que haja ventos em nossas vidas, que ele leve o cheiro, o toque, o som… Que ele traga o cheiro, o toque, o som… Que ele passe… Não adianta pedir que ele fique, apenas que passe e que seja constante a sua chegada…!

Adriana Nunes

Escrever é sempre mágico, sabe por que? Transforma, ressignifica!!!

Sabe, então vamos escrever sobre a vida!!!!
O melhor da vida mesmo é  poder sentir… Amor, paixão, ódio (as vezes), atração, carinho, raiva, tristeza, alegrias…!
É poder sentir e deixar de sentir e sentir novamente…
Rir, chorar, amar… Ressignificar todas as coisas….!
Estar vivo, deve ser isso mesmo. E o é, acredite.
Poder experimentar, e fazer a vida pulsar.
Adriana Nunes

Sinto vontade de escrever a toda hora, palavras diversas, de amor, de desilusão, de esperança, de angústia…
Tenho vontade de gritar, colocar para fora o que está preso dentro do meu peito… Mas como não ouso gritar, os pensamentos parecem querer falar e tentar converter em palavras tudo o que não ouso gritar… , se não faço nem um, nem outro; não grito e nem escrevo, as lágrimas banham-me o rosto, levando embora o que dentro de mim se fazia prisioneiro, sentimentos diversos, afetos, desafetos… Mas se nem através do choro eu permito-me lavar a alma, ainda assim, em algum tempo o que ficou guardado haverá de sair, seja de que forma for o corpo haverá de mostrar que um dia existiu uma dor, um ardor, um amor…

 

Adriana Nunes

Uma ousadia escrever sobre Ele… mas quem escreve faz uso de atrevimentos!

Atrevimento sim, pela grandiosidade do tema, peço licença ao Amor, para escrevê-lo nas minhas palavras pequenas…

Gosto sempre de falar sobre Ele, não é novidade, porém o amor para mim nunca foi visto apenas no sentido romântico, procuro ver o amor sempre de maneira mais ampla… o sentimento em si e tudo o que o envolve… Amor de Deus, de mãe, amor entre almas… AMOR.

Amor  puro e intenso que nasce nos corações das pessoas que se apaixonam! Trazendo sempre um conflito, o amor é sempre falado, questionado, cantado e recitado nas suas mais diversas formas de amores, né? Logo não poderia faltar ser escrito por aqui também…

Fico pensando se seria mais fácil se houvesse explicação ou fórmula para o amor, e se teria graça, afinal amar mexe tanto com o nosso interior, justamente por misturar tantos sentimentos diferentes e de uma só vez dentro da gente… A dúvida, a certeza, a raiva, o gostar, a vergonha, a intensidade, o medo e a coragem, todos parecem se dar as mãos e se pronunciar quase que de uma vez só dentro do ser que ama…!

Se houvesse a forma correta de se obter o amor, não teria graça, faltaria justamente a sedução, a conquista, o palpitar do coração acompanhado da incerteza, que tanto bagunçam a nossa mente, sentimentos e até o corpo, mas que ao mesmo tempo dá intensidade e profundidade ao que a gente sente…

Amar faz doer… É certo que sim, mas todo mundo quer amar, quer um amor… Não é isso meio louco? Que se queira essa dor…?

O amor rende livros, palestras, mudanças internas e externas…, músicas, poemas… É realmente algo incrível… E ainda cabe dentro do peito da gente…! Realmente é um tesouro, algo precioso!

Algo tão grande assim não merece todo o nosso esforço? E também o nosso respeito?

O amor, acredite, ao se aproximar de quem ama, sempre sabe aonde pode chegar e quando deve parar para apenas observar…

Ame, mas espere que o amor queira chegar no seu coração, como já dizia o sábio “não despertem o amor até que ele o queira!”

Assim, deseje esse lindo sentimento para si, mas deixe o tempo do amor acontecer…

Adriana Nunes

 

Permanecer acompanhando este canal não deve ser fácil… As postagens não são constantes e os assuntos são parecidos: sentimentos, amor, sonhos…

Aliás, nada nesta vida parece fácil, né?

Sabe, tenho grandes defesas sobre sonhos e a irrealidade do impossível, mas até eu, que defendo essas duas coisas com unhas e dentes, tenho que  me render a algumas peculiaridades, as quais até então eu fazia questão de não enxergar.

Sabe, os sonhos são livres, mais do que podemos ser, e eles nos permitem colocar um pouco de sabor e doçura no amargo da vida, mas acredite, também eu passei a perceber quanto mais inalcançável o sonho e quanto mais contrariamente vivido como possível em nossa imaginação, mais sofreremos ao constatar a inalcançabilidade desse sonho… E isso é extremamente doloroso, acredite.

Deveríamos então só sonhar pelo prazer de imaginar? Ou continuar, incansavelmente, buscando formas de alcançar o que buscamos…?

Quanto ao impossível, alguém o inventou, deu nome e tudo, por causa dele cheguei a questionar a inalcançabilidade de alguns sonhos… e então passei a aceitar que ele exista no dicionário!

Experimentar algumas desilusões dói, acordar de um sonho e sentir que nada daquilo existiu também dói, e bastante, quanto mais investimento houve mais doloroso será, no entanto, privar-se da dor, do amor, do sonhar, do sentir é privar-se de viver também, e vida é pulsar, é ter sentimentos ora caminhando juntos, ora seguidos, ora misturados, sentimentos bons e ruins, raiva, dor, amor, tudo se complementando, ora se atraindo, ora se repelando.

Viver é isso mesmo, e viver é assumir todos esses riscos… Do contrário, se nos afastarmos de tudo isso, corremos o risco de experimentar é a morte em vida, e para isso sim, não há movimento, não há pulsar…

Adriana Nunes

Porque tenho vontade de chorar, de tanto frio na barriga que sinto ao pensar em você…!

Só de palavras para dizer parece que tenho todas na cabeça e ao mesmo tempo me faltam todas!
Agora, eu não saberia nomear o que sinto, porém muito mais pelas circunstâncias das situações… Pelas mãos nunca tocadas, pelos olhos nunca encontrados, pelas palavras que só são ditas em escritas, nunca em som, nunca a sentir o sopro da fala, da voz…
No entanto, por tudo o que sinto, coração batendo forte apenas com pensamentos, sonhos e desejos onde você está sempre presente, vontades de falar, de encontrar, mariposas na barriga mesmo só em pensar em algo para escrever, fotos e vídeos vistos mais de uma vez, cujas imagens não cansam a vista… Por tudo isso, eu saberia sim nomear tudo o que sinto por você!
Adriana Nunes

E faz tempo que não passo por aqui… mas nunca esqueço o blog não… o grande desafio aqui não é ter uma postagem fixa, com dia e hora marcados, mas sim que a vida inspire, no seu tempo, o que vai ser compartilhado aqui…

Algumas coisas andaram surgindo, foram escritas em redes sociais mas não publicadas aqui, penso que algumas poderia compartilhar aqui no blog, então como uma forma de mostrar que nunca esqueço desse espaço, trouxe esse escrito para vocês…:

Às vezes, a gente se cala de todas as formas… a voz, a música, a escrita, as lágrimas, o riso… Mas lá dentro do coração o pulsar continua…. Até que um dia, algo fora do peito se faz escutar, e você sente vontade de responder, mas não mais com silêncio… Que voltem os escritos, as conversas (as leves, por favor, as eufóricas depois… Rs!), as músicas (sim, as de sempre, repetidas vezes), o choro, o riso… Afinal, há vida aqui… Voltando…!

Adriana Nunes