A florzinha já não sabe mais sorrir… E, às vezes, nem sabe exatamente porque… Se pudesse mudar as coisas… Fazer uma mágica… Acordaria em outros tempos… Não sei que tempos seria… Talvez seja melhor ficar sonhando, florzinha… Quando se aterrissa, colocar os pés no chão faz doer…

Adriana Nunes

Julia is able to speak to Saren as she is somehow able to get part of the light out - to reason

 

Anúncios

Aí…!

Acho que as palavras me apaixonam, me envolvem, me consomem…

Como amor… Com ardor…

A sedução em palavras, a ausência de palavras, assim escritas… assim não ditas mas ainda pensadas, e na tela da mente vividas…

E se forem faladas, tomam força e ganham verdade…!

De um jeito ou de outro, seja falada, calada ou escrita, geram verdades, chegam com vida!

Adriana Nunes

 

a tiny place happy but

Imagem: Pinterest

Alguém, há muitos anos, já me falara sobre a lua… E ela sempre foi motivo de conversas.

Uma pessoa bem próxima, outra vez, cantou o que já era cantado à lua, em lembranças ao seu avô.

Lua inspira romance, às vezes melancolia, na maioria das vezes traz consigo sonhos, e para Julieta enriquece uma resposta para o seu Romeu.

Deixarei aqui a música de lua que trazia as lembranças do avô… Para outros pode trazer outros tipos de lembranças, mas o que importa não é o contexto, importa que será sempre a mesma lua…!

Adriana Nunes

Full moon over the shore

“Bem lá no céu uma lua existe

Vivendo só no seu mundo triste
O seu olhar sobre a Terra lançou
E veio procurando por amor
Então o mar frio e sem carinho
Também cansou de ficar sozinho
Sentiu na pele aquele brilho tocar
E pela lua foi se apaixonar

Luz que banha a noite
E faz o sol adormecer
Mostra como eu amo você

 
Se a lenda dessa paixão
Faz sorrir ou faz chorar
O coração é quem sabe

Se a lua toca no mar
Ela pode nos tocar

 

Pra dizer que o amor não se acabe!

 
Se cada um faz a sua história
A nossa pode ser feliz também
Se o coração diz que sim à paixão

 

Como pode o outro dizer não

Luz que banha a noite
E faz o sol adormecer
Mostra como eu amo você

Se a lenda dessa paixão
Faz sorrir ou faz chorar
O coração é quem sabe

Se a lua toca no mar
Ela pode nos tocar
Pra dizer que o amor não se acabe”

 

Música: Sandy & Júnior
Imagem: Pinterest

Se meus sonhos virassem realidade eu estaria a sorrir… Estaria vendo de uma janela as folhas das árvores balançando com o vento!

Certamente eu estaria descobrindo cada parte de uma casa, os muitos detalhes que ora existem nela…

Encontraria em algum vão um sorriso doce e terno, olhos serenos e sinceros. Correria pra Ele e ali, onde os sonhos se realizam, eu provaria de um amor sonhado e na imaginação vivido.

Sabe, seria outono… E abóboras haveria por toda a casa! Certamente eu pediria para enfeitar alguma, aquela que tivesse chamando por mim! E, a noite, quando as luzes do céu se ascendessem, sairíamos por aí, pelas ruas, a festejar uma festa desse mundo, para o qual eu gostaria de me mudar…

Adriana Nunes

 

Ps.: Encontrei a casa… Exatamente essa…!

Se eu fosse falar da minha vida nesse momento, eu diria que ela está meio esquisita… Os dias não são mais os mesmos, algumas coisas perderam o sabor e outras perderam a graça… Algo ou Alguém claramente faz falta… O sorriso andou murchando, isso quando não é inundado por uma chuva salgada que tem gosto salgado e que costumamos chamar de lágrima… A cabeça já não se concentra no momento que se faz presente, ela chega a incomodar, ela pesa, ela dói. O corpo sente e o coração então… Dói uma dor de verdade, sentida, vivida, doída… Alguns dizem que quando algo ou Alguém vai embora deixando um vazio, é porque algo precisava ser renovado… Esse vazio um dia vai ser preenchido… Sobre isso eu ainda não sei falar… Mas aprendi com a vida que ainda que chova e se faça inverno um dia a estação vai mudar e um dia irei olhar da janela e perceber que já não há inverno dentro de mim e no lugar de chuva haverá o canto e a cor de uma nova estação!

Adriana Nunes

Девушка и кот смотрят на ночной Лондон

Imagem: Pinterest

de repente

Imagem: Pinterest

Viver cada dia e um dia por vez tentando colocar em prática aquilo que se aprendeu no decorrer da vida…

Buscar um sentido para aquilo que parece não significar mais…

Adriana Nunes

e3f2e8fe08c9846bdcf0a90d6c5911c3

Imagem: Pinterest

 

É o mecanismo que usamos para poder suportar a realidade…

É onde podemos viajar sem limites!

Lá tudo é possível, porque o impossível não aprendeu a sonhar!

Quando por lá eu flutuo, parece que o mundo daqui não existe, porém lá é lugar que se vai só de visita, na hora de lazer, pois o mundo que nos rodeia sempre nos convoca a estar por aqui, atuante e presente!

Então vivamos assim, com um pé lá e outro cá…!

Adriana Nunes

Musicality at it's finest. Medicine for the Soul.  MD.radio - Now available in…

Imagem: Pinterest

O aniversário é meu, mas a felicidade eu gostaria que caísse sobre todos nós…! Por isso, vim compartilhar uma música pra gente ouvir, com o desejo que ela se torne realidade! Felicidades e vida para todos nós!

 

Com carinho,

Adriana Nunes

 

Poema de Edgar Allan Poe traduzido por Fernando Pessoa

ANNABEL LEE *
(de Edgar Allan Poe)

Foi há muitos e muitos anos já,
Num reino de ao pé do mar.
Como sabeis todos, vivia lá
Aquela que eu soube amar;
E vivia sem outro pensamento
Que amar-me e eu a adorar.

Eu era criança e ela era criança,
Neste reino ao pé do mar;
Mas o nosso amor era mais que amor —
O meu e o dela a amar;
Um amor que os anjos do céu vieram
a ambos nós invejar.

E foi esta a razão por que, há muitos anos,
Neste reino ao pé do mar,
Um vento saiu duma nuvem, gelando
A linda que eu soube amar;
E o seu parente fidalgo veio
De longe a me a tirar,
Para a fechar num sepulcro
Neste reino ao pé do mar.

E os anjos, menos felizes no céu,
Ainda a nos invejar…
Sim, foi essa a razão (como sabem todos,
Neste reino ao pé do mar)
Que o vento saiu da nuvem de noite
Gelando e matando a que eu soube amar.

Mas o nosso amor era mais que o amor
De muitos mais velhos a amar,
De muitos de mais meditar,
E nem os anjos do céu lá em cima,
Nem demônios debaixo do mar
Poderão separar a minha alma da alma
Da linda que eu soube amar.

Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos
Da linda que eu soube amar;
E as estrelas nos ares só me lembram olhares
Da linda que eu soube amar;
E assim ‘stou deitado toda a noite ao lado
Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado,
No sepulcro ao pé do mar,
Ao pé do murmúrio do mar.

Fernando Pessoa

ANNABEL LEE *
(by Edgar Allan Poe)

It was many and many a year ago,
In a kingdom by the sea,
That a maiden there lived whom you may know
By the name of Annabel Lee;
And this maiden she lived with no other thought
Than to love and be loved by me.
I was a child and she was a child,
In this kingdom by the sea;
But we loved with a love that was more than love-
I and my Annabel Lee;
With a love that the winged seraphs of heaven
Coveted her and me.

And this was the reason that, long ago,
In this kingdom by the sea,
A wind blew out of a cloud, chilling
My beautiful Annabel Lee;
So that her highborn kinsman came
And bore her away from me,
To shut her up in a sepulchre
In this kingdom by the sea.

The angels, not half so happy in heaven,
Went envying her and me-
Yes!- that was the reason (as all men know, In this kingdom by the sea)
That the wind came out of the cloud by night,
Chilling and killing my Annabel Lee.

But our love it was stronger by far than the love
Of those who were older than we-
Of many far wiser than we-
And neither the angels in heaven above,
Nor the demons down under the sea,
Can ever dissever my soul from the soul
Of the beautiful Annabel Lee.

For the moon never beams without bringing me dreams
Of the beautiful Annabel Lee;
And the stars never rise but I feel the bright eyes
Of the beautiful Annabel Lee;
And so,all the night-tide, I lie down by the side
Of my darling, my darling, my life and my bride,
In the sepulchre there by the sea,
In her tomb by the sounding sea.

Imagem: Pinterest